Archive for 13 de Dezembro, 2018

h1

Estatística a propósito das religiões de Lisboa

Dezembro 13, 2018

Uma vez que mencionámos em aula a problemática de realização de censos sobre preferências religiosas aqui trago um exemplo de como se publicam determinados resultados com aparente comprovação científica. A pedido da professora:

https://fronteirasxxi.pt/infografiareligiao/?fbclid=IwAR1Q2eQ7LyvrXlkJr7gW3VGE7uLmQFLktGZlSxKbjxh_IwnF2b5ctuVcLck

(Mauro)

h1

Conceitos

Dezembro 13, 2018

Visto que não consigo entender o funcionamento da Bolsa de Conceitos do blog, colocar-los-ei directamente num post.
Tendo-lo feito em formato de estudo, peço que corrijam [os meus colegas e não a professora] qualquer falha ou erro na sua definição;

Asabiyya

“Espirito do corpo” – conceito que se refere a uma solidariedade comum entre os grupos tribais beduínos, sendo que cada individuo faz parte da unidade (corpo) em que se insere. Também pode ser entendido como relações de parentesco;

Awlad Ali

Grupo étnico Beduino na zona do deserto do Sahara no Noroeste do Egipto. Grupo estudado por Leila-Abu Lughod na sua obra “Veiled Sentiments“;

Qyias

Referente à Lei Islâmica. Raciocinio análogo aplicado à dedução de princípios jurídicos do alcorão e das sunnas, tendo surgido como necessidade normativa após a morte de Maomé e expansão do Islão. Integrado nas quatro fontes da lei islâmica (Alcorão, Sunna, Ijma, Qyias). Pode ser considerado uma variante do conceito geral Ijtihad

(In. Enciclopedia Britannica: Qyias)

Sunna

[Prática habitual] – Corpo das tradicionais práticas e costumes sociais e legais islâmicos;

Qabila

Tribo;

Sharia / Xaria;

Comumente definido como “Lei Islâmica” refere-se à Palavra divina de Deus . Não havendo separação entre religião e o direito em muitas das sociedades Islâmicas, a Sharia actua como forma de regulamentação jurídica e moral através de várias fontes (de forma hierárquica) : O Alcorão, os Hadiths (leis, lendas e histórias sobre a vida de Maomé) , a Ijma, e as Qyias.  Para determinar a Lei Islâmica em si (ou jurisprudência Islâmica) o termo correcto será Fiqh. O Fiqh pode(ria) ser sujeito a Ijtihad, enquanto que a Sharia não. Enquanto que as fontes da Sharia são aquelas mencionadas em cima, as fondes do Fiqh é a própria Sharia;

Hurr / Hurria

Liberdade;

Arkan al Islam

Cinco pilares do Islão: Shahada (profissão de fé), Salah (cinco orações diárias), Zakat (Caridade), Sawm, (jejuar no mês do ramadão), Hajj (peregrinação a meca pelo menos uma vez na vida);

Cabilia

Região no Norte da Argélia. Terreno de estudo de Pierre Bourdieu na sua reflexão “sobre a casa e a familia” na obra “Esboço de uma teoria Prática”;

Ghinawas

Pequenos poemas característicos do grupo étnico Awlad Ali. Veículo de transmissão de emoções e sentimentos numa sociedade onde a honra é altamente valorizada;

Amazigh

Grupo étnico autóctone do Norte de África. Partilham a língua e a escrita de mesmo nome;

Mulk

Soberania;

Qaaba / Kaaba

Principal local de culto para a religião Muçulmana. Situado na Arábia Saudita, na cidade de Meca, é visto como o local mais sagrado do mundo, sendo o principal destino durante a Hajj;

Umma

[Nação/Comunidade], Refere-se a toda a comunidade muçulmana, podendo também referir-se a qualquer comunidade que siga a palavra de um profeta. A comunidade Judaica e Cristã eram também consideradas parte da Umma quando se dá o inicio do Islão;

Allah

Deus;

Halal / Haram

Halal “o que é permitido”, em oposição a Haram “o que é proibido”. Muitas vezes associados exclusivamente à alimentação pela sua ligação às proscrições alimentares. Não sendo exclusivo destas normas alimentares, destinam.se a formas de comportamento autorizados ou proibidos. O consumo de certo tipo de alimentos, ou mesmo a mistura entre eles é alvo destas formas de regulamentação religiosa;

Moudawana

Código de Familia, na lei marroquina. Relacionado com regulamentações do casamento, poligamia, divórcio herança, etc. Codificado após independência colonial;

Ijtihad

“Esforço de Reflexão”, Formas de interpretação dos Textos do Islão (Sunnas e Alcorão), por parte dos juristas muçulmanos (Mujtahid). Apenas a fação muçulmana Xiita ainda pratica o Ijtihad, sendo que o Sunismo segue a prática de Taqlid (imitação);

Tawhid

“Monoteismo” Crença na unicidade de Deus (Allah ). Expresso num dos cinco pilares do Islão (Sahada) “Não há outro Deus além de Allah, e Maomé é o seu Profeta.”;

Ijma

Consenso da Umma em assuntos religiosos;

Beduínos

Definição dada a grupos étnicos vários que habitam em zonas áridas, normalmente no Deserto;

Médio Oriente

Concepção geo-politica criada pelo Império Britânico para fazer referência aos países árabes situados desde o norte de África à zona Orcidental da Ásia, assim como certos países o extremo Oriente da Europa;

Fontes da Lei Islâmica

Alcorão, Hadith (tradição do profeta e seus seguidores), Ijma, Qyias;

Berberes

Termo pejorativo utilizado comumente para se referir ao grupo étnico Amazigh. Berber vem da palavra Bárbaro, sendo que o termo era utilizado para se referir aos povos que habitavam no deserto, e que seriam vistos como inferiores;

Alcorão

Livro sagrado do Islão, que contém as supostas palavras transmitidas a Maomé por Allah. Composto por 114 capítulos (Suras);

Hégira (Hijra [Não confundir com Hijra que no contexto paquistanês se refere a um formato de terceiro género]

Fuga de Maomé de Meca para Medina, no ano 622, primeiro ano do calendário Islâmico;

Meca

Cidade na Arábia Saudita considerada a mais sagrada no Islão. Importante centro comercial no período de vida de Maomé, foi o primeiro local onde o mesmo professou a palavra do Islão, antes de ser expulso (ver Hégira) para Medina;

Medina

Cidade na Arábia Saudita para onde Maomé foge no ano de 622, e onde mais tarde governa. Foi a primeira cidade regulamentada pelos princípios do Islão, quando Maomé sobe ao poder e se torna seu governante;

Sunismo

Maior Facção do Islão, com cerca de 80% dos crentes muçulmanos pertencentes a ela. Consideram que após a morte de Maomé, qualquer Califa poderia seguir a governação professada pelo Profeta, após devido consenso;

Xiismo

Segunda maior fação de crentes muçulmanos (cerca de 12%). Consideram que após a morte de Maomé, a sua herança devia seguir princípios genealógicos. Sendo que Maomé não teve filhos (homens), o papel estaria destinado a Ali, marido da filha do profeta (Fátima);

Constituição de Medina

Carta elaborada por Maomé, tem como objectivo a criação de um acordo formal entre a recém chegada e hegemónica fé muçulmana e todas as tribos que já la habitavam (em medina, então conhecida como Yathrib) – isto inclui judeus cristãos e outros crentes em fés pagãs.